Imagem Autor
Postado por Diego Ariel
Categoria: Traumatologia

Fratura do Antebraço


Imagem

    O antebraço é a região do membro superior que fica entre o cotovelo e o punho. É formado pelos ossos rádio e ulna, os quais são unidos por uma membrana chamada de interóssea. 

    Apesar de não ser uma articulação propriamente dita, o antebraço possui dois movimentos próprios: a pronação e a supinação. Nesses movimentos, a ulna atua como eixo do movimento e o rádio gira sobre ela. Um exemplo típico desse movimento é quando apertamos um parafuso com uma chave de fenda.

    O antebraço é o segundo segmento que mais é vítima de fraturas expostas, perdendo apenas para a tíbia. As fraturas do antebraço são lesões muito comuns em crianças, constituindo cerca de 40% de todas as fraturas pediátricas.

 

Como ocorre a fratura do antebraço? Os principais mecanismos de fratura do antebraço são: o Trauma Direto na região do antebraço e o Trauma Indireto, como na queda da própria altura sobre a mão estendida. Em pacientes adultos jovens, geralmente a fratura ocorre após traumas por mecanismo de alta energia, como nos acidentes automobilísticos. 

 

 

Quem tem maior risco de fraturar do antebraço? Nas crianças, a maioria dessas fraturas é mais frequente nos meninos, cerca de 3 a 4 vezes. Nos meninos, a idade em que mais ocorre essa fratura é em torno dos 9 a 14 anos. Nas meninas, a idade mais comum na qual ocorre essa fratura é por volta dos 5 ou 6 anos. Nos adultos, as fraturas são mais comuns em jovens do sexo masculino, principalmente relacionadas a acidentes de grande energia, como os automobilísticos e os disparos de arma de fogo.

 

Quais os sintomas? Dor, edema (inchaço), hematoma/equimose (mancha de coloração roxa, por extravasamento de sangue) e deformidade, além de incapacidade de mobilizar o membro superior afetado. Deve-se ter muito cuidado com as fraturas expostas, pois a ulna é um osso muito próximo da pele e sem proteção muscular, assim, até feridas pequenas têm o potencial de expor o osso.

 

 

Como é feito o diagnóstico?Além da história clínica e do exame físico, a utilização de alguns exames de imagens auxilia no diagnóstico e no planejamento da conduta terapêutica. A radiografia (RX) é o exame mais acessível e o mais utilizado para essa finalidade. 

 

Todas as fraturas são iguais ou existe alguma mais grave do que outras? As fraturas do antebraço diferem entre si em termos de gravidade. Dentre os principais parâmetros, três se destacam para dizermos quão mais grave é a fratura. São eles:

1- Fraturas expostas ou lesões associadas; 

2- Desvio dos fragmentos;

3- Padrão da fratura.

 

Como o padrão da fratura é classificado? Apesar de cada fratura ser diferente de uma pessoa para a outra, muitas apresentam padrões semelhantes. Tais padrões permitem criarmos uma classificação que orienta os médicos na condução do tratamento. Basicamente elas dividem as fraturas de acordo com sua localização, com energia/mecanismo do trauma e de acordo com o “traço” de fratura e com o desvio dos fragmentos (número de partes). 

 

 

Como é feito o tratamento? O tratamento pode ser de duas formas: Conservador (sem cirurgia) ou Cirúrgico. A escolha do tipo de tratamento vai depender principalmente da gravidade, da idade do paciente e de alguns parâmetros, como os que citamos acima. 

 

Como é feito o Tratamento Conservador? A melhor indicação de tratamento conservador é feita nos casos de fraturas sem ou com pouco desvio. Muito dificilmente é indicado o tratamento conservador, pois raramente ocorre a fratura com pouco desvio no adulto. Já nas crianças, o tratamento conservador é uma excelente opção, principalmente devido ao potencial de remodelação óssea das crianças. Mesmo nos casos de fratura com desvio nas crianças, pode ser feita uma redução “fechada” dessa deformidade, geralmente sob anestesia. O tratamento é feito com imobilização gessada, geralmente do tipo axilopalmar, sendo sempre realizado o acompanhamento radiográfico. Entre 6 e 8 semanas, a imobilização é retirada e o paciente pode iniciar alongamentos e exercícios contra resistência leve.O retorno a um arco de movimentos e à função quase normais é esperado após um período de 6 a 9 meses, podendo ser mais precoce nas crianças.

 

 

Como é feito o Tratamento Cirúrgico? As indicações mais aceitas para o tratamento cirúrgico de fraturas agudas do antebraço são fraturas expostas, comprometimento neurovascular associado e politraumatismo. Outras indicações são os grandes desvios, cotovelo flutuante (fratura do antebraço e do úmero no mesmo lado), idade acima de 10 -12 anos na presença de grande deformidade e falha do tratamento conservador. As demais situações devem ser avaliadas caso a caso. Dentre as principais técnicas empregadas, está a utilização de placas e parafusos. Em crianças, também podem ser utilizados fios (pinos) e hastes.

 

 

Quais as possíveis complicações? Infecção, Pseudartrose (“osso não cola”), deformidade residual, necrose, Artrose (também conhecido como Osteoartrite), lesão neurovascular, Trombose, embolia, dentre outras.

 

Após a cirurgia, em quanto tempo retorno às minhas atividades? O retorno vai depender muito da gravidade da fratura, das lesões associadas e de qual técnica de tratamento foi utilizada. Geralmente, o retorno pode variar de 4 a 12 meses no adulto e de 3 a 6 meses nas crianças. Todavia, há casos mais graves e mais complexos que necessitam de mais tempo para a reabilitação completa.

 


Para mais informações navegue em nosso Blog, entre em Contato ou converse com seu Ortopedista. 

 


Compartilhe


Comentários

  • Bruno rego de carvalho

    Tive fratura no antebraço quebrou a rádio e a ulna fiz cirurgia tá com 15 dias eu coloquei platina e parafusos, posso usar Tala Longa Bilateral para Punho?? o que vc recomenda ?

    • Dr. Diego Ariel

      Ola Bruno

      O propósito da cirurgia é estabilizar e imobilizar a fratura para que o calo ósseo possa se formar, não sendo necessário uso de talas após o procedimento. Em alguns casos raros pode ser que seja necessário o seu uso. Converse com seu médico para que ele possa fazer a melhor recomendação. 

  • Simone

    Olá Doutor! Sofri um acidente de moto e fraturei a clavícula esquerda (fachada), o radio e a ulna (exposta) a dois anos, já fiz 4 cirurgias c/ enxerto ósseo no radio e irei fazer mais uma. Tirei a placa e parafusos da clavícula em julho do ano passado e três dias depois quebrou novamente e o ortopedista colocou novamente a placa c enxerto ósseo. Estou usando a órtese no punho para manter a imobilização parcial. É normal todo esse tempo para consolidação óssea? Teria algum suplemento que pudesse ajudar?

  • Jose luiz

    Oi dr minha filha tem 9 anos e quebrou os dois ossos do antebraço a una ainda nao colou foi fratara exposta fez a cirurgia e esta com os fios .faz 3 meses já agora a dra responsacel disse que seta necessário fazer um ebxerto.gostaria de saber como funciona isso como é feito e se é segiro drsde ja agradeco

    • Dr. Diego Ariel

      Olá José Luis

      O caso da sua filha é um caso atípico. Crianças, normalmente, tem uma consolidação rápida. Se o medico aventou a possibilidade de enxerto, é porque ela deve ter perdido muito tecido ósseo. Cirurgias sempre carregam um risco, mas tudo em medicina se leva em consideração risco-beneficio. Crianças se recuperam bem. 

  • ELAINE

    Ola, meu filho de 11 anos quebrou o braço a ulna e radio na sabado, nao foi uma fratura exposta. Fizeram o procedimento de imobilização e mandaram pra casa, o medico disse que eu teria que voltar para marcar a cirurgia hoje segunda feira. Fui ate o ambulatório do plano e eles marcaram a cirurgia para 08/09 daqui uma semana, pois alegaram inchaço e que nao poderiam fazer com o inchaço. Nao corremos o risco de calcificar? ou piorar o edema? é normal aguardar 10 dias para a cirurgia? Isso tudo em hospital particular com plano de saude.

    • Dr. Diego Ariel

      Ola Elaine

      A conduta que tiveram com seu filho é perfeitamente adequada, fazer uma cirurgia num braço edemaciado é apostar em complicações pós operatórias. O calo ósseo leva cerca de dois meses para se formar, portanto, não há risco de calcificar nada nesses dias de espera. Paciência, seu filho fará a cirurgia no momento certo e com todas as chances de sucesso. 

  • Sara Almeida

    Boa tarde. Quebrei a ulna, médico me deu 15 dias, mais 60 dias com gesso. Eu queria muito voltar a trabalhar colocando tala e tipóia. Eu corro algum risco Dr? A tipóia não consegue estabilizar meu braço não?

    • Dr. Diego Ariel

      Ola Sara

      A recuperação após trauma ósseo é demorada e exige do paciente muita dedicação. O calo ósseo leva de dois a três meses para se formar, variável de pessoa para pessoa. A função da imobilização gessada é deixar o osso na posição correta e imóvel até que ele se recupere. Não tem como você conseguir isso com uma tala. Quanto a voltar a trabalhar, eu não aconselharia ainda, dependendo do seu tipo de trabalho nem de gesso você deve voltar.

  • CLEIA Costa

    Olá Quebrei o braço na região do rádio coloquei placa e parafuso mais quando eu vou fazer o curativo que tira a tala parece que está torcendo meu punho isso é normal não consigo ficar com o braço solto tenho que segurar as pontas dos dedos é muita dor e agora não consigo abrir a mão pois dói muito fiz a cirurgia agora dia 01/08/2020 gostaria de saber se esses sintomas são normais

    • Dr. Diego Ariel

      Ola Cleia

      Você ja esta fazendo fisioterapia? A movimentação ajuda na circulação sanguínea e drenagem linfática, ou seja, você precisa investir na fisioterapia para melhorar a sua mobilidade. A fisioterapia ajuda na recuperação dos movimentos e na melhora da amplidão da flexão e extensão articular, como também melhora o edema (inchaço) que se forma. Com esse tempo, esses sintomas que você refere já eram para estar mais amenos. Tente investir na reabilitação para melhorar essa sintomatologia e readquirir mais força no membro. 

  • Marcio

    Olá Dr Diego! Tive uma fratura exposta da ulna passei por cirurgia, ainda estou fazendo fisioterapia pois ainda não consegui a total extensão do braço e nem do punho.( Já se passaram 6 meses que fiz a cirurgia e já ate voltei ao trabalho). Na ultima vez que fui na fisioterapia senti uma pontada(choque) bem no ponto onde foi a fratura e desde agora sinto incômodos e a impressão de ter uma articulação onde era a fratura, fora o fato de fica bem dolorido e sinto como se osso se movimentasse mesmo parafusado é bem esquisito. Na sua avaliação isso é normal? Já marquei ortopedista pois fiquei bem preocupado e só volto para fisioterapia apos a avaliação do ortopedista. Olá Dr Diego No momento não sinto dor na região somente um incomodo. É possível que sinta dor? Tenho dificuldade de extensão do punho pode estar relacionado? Existe algum tipo de tratamento que não precise de uma nova cirurgia ou o mais prudente seria a cirurgia mesmo?

    • Dr. Diego Ariel

      Ola  Marcio

      Com esse tempo de fratura, já era para esse osso estar consolidado, é provável que você esteja desenvolvendo uma pseudoartrose, que é quando o osso não consolida e faz uma “falsa articulação” (mobilidade). Também não é improvável que exista algum pequeno foco de infecção, conhecido por osteomielite, mas o mais provável é a pseudoartrose. Procure ajuda especializada para definir o diagnóstico e, a posterior conduta. Boa sorte 

  • Marcio

    Olá Dr Diego! Tive uma fratura exposta da ulna passei por cirurgia, ainda estou fazendo fisioterapia pois ainda não consegui a total extensão do braço e nem do punho.( Já se passaram 6 meses que fiz a cirurgia e já ate voltei ao trabalho). Na ultima vez que fui na fisioterapia senti uma pontada(choque) bem no ponto onde foi a fratura e desde agora sinto incômodos e a impressão de ter uma articulação onde era a fratura, fora o fato de fica bem dolorido e sinto como se osso se movimentasse mesmo parafusado é bem esquisito. Na sua avaliação isso é normal? Já marquei ortopedista pois fiquei bem preocupado e só volto para fisioterapia apos a avaliação do ortopedista.

    • Dr. Diego Ariel

      Ola  Marcio

      Pelo que você relata, pode ser que esteja desenvolvendo uma pseudoartrose, que é quando o osso não consolida e faz uma “falsa articulação” (mobilidade). Procure ajuda especializada para definir o diagnóstico e, a posterior conduta. Boa sorte 

  • Fernanda

    Oi Dr. Diego, Meu pai tem 70 anos, diabético e quebrou o antebraço há quase 15 dias. No dia do engessamento, o médico puxou algumas peles do braço dele que se romperam com a queda na rua e sangrou bastante. Ele fez o engessamento e o gesso manchou de sangue de dentro pra fora, isso é normal? Os vizinhos e até familiares ficam falando que ele vai perder o braço por causa disso, que tinha que fazer uma janela no gesso pra pele respirar. Ele ja foi em 3 médicos e disseram que era normal. Estamos preocupados, o que acha? Ele não está com dores e a mancha tb nao aumentou no gesso, foi só no dia mesmo que sangrou. Tem algum perigo? Obrigada!!!

    • Dr. Diego Ariel

      Ola  Fernanda

      Observe os dedos do seu pai, devem ter algum edema, veja se ele mexe bem os dedos e se estão com uma coloração parecida com os da outra mão, se não vir nada diferente disso, esta tudo bem. Não há necessidade de abrir janela” no gesso devido a lesão de pele, normalmente ela cicatriza bem. Boa recuperação para seu pai 

  • Kérsia Razão

    Olá doutor, meu esposo teve uma fratura no rádio e na Ulna, mas não foi operado pois teve um aneurisma à 2 anos, e ainda não foi operado. No meu país (Angola) É uma cirurgia de alto risco. Foi lhe recomendado o tratamento conservador, colocaram uma tala de gesso, à duas semanas. Mas consegui ver na pele uma leve saliência que poderá deixar o braço deformado. Quais às chances dele se recuperar totalmente com o tratamento conservador? Sendo que tem 31 anos. É possível que ele tenha rigidez em alguns movimentos como sequela?

    • Dr. Diego Ariel

      Oi Kersia

      Existe muitas variedades de fratura, e o osso quase sempre se consolida, independente de cirurgia ou não. A questão é como ele vai se recuperar, torto? Para que uma fratura se consolide corretamente é necessário que ela esteja bem alinhada e que as pontas do osso se toquem, para criar a ponte óssea e que fique imobilizada até a recuperação completa A tala não faz uma boa imobilização, pois deixa margem para que o osso se mova. Você pergunta se ele pode se recuperar com o tratamento conservador, pode sim, como eu disse acima, mas como vai ser essa recuperação é uma outra questão. E ai entramos na segunda pergunta, sim ele pode ficar com alguma sequela decorrente desse processo. Converse com os médicos para ver a possibilidade de fixação dessa fratura (seja cirúrgica ou com gesso fechado) para evitar sequelas futuras. Boa sorte 

  • Gustavo Antonio

    Olá DR. Diego, tive uma fratura na ulna na qual imobilizei meu braço por seis semanas com gesso! Estou ha 10 dias que retirei o gesso, consigo flexionar meu braço cerca de 95%, e estender cerca de 85%, quando chego nesse limite sinto uma dor forte no que creio ser epicondilo medial e não consigo esticar o restante! Isso é normal? O que devo fazer? Desde já agradeço.

    • Dr. Diego Ariel

      OI Gustavo

      A recuperação pós trauma ósseo é demorada e exige do paciente muita dedicação. O processo de recuperação de fratura óssea dura em torno de 2 (dois) meses, variável de pessoa para pessoa. Você ainda esta nessa janela de tempo, o que significa que seu osso ainda esta se consolidando. A fisioterapia ajuda na recuperação dos movimentos e na melhora da amplidão da flexão e extensão articular, como também melhora o edema (inchaço) que se forma. Tudo que você está sentindo é perfeitamente normal. Confie no tempo e tenha paciência, isso é o mais importante agora. Fique bem 

  • Gabi

    Boa tarde Dr Tive uma fratura do rádio e ulna onde rasgou um pouco a pele , fiz cirurgia estou com placa e dois parafusos e um arame que sai do meu pulso , sinto mas não mexo os dedos meu acidente dói dia 6 e a cirurgia dia 15 é normal não mexer os dedos e durante os curativos ter que segurar a mão pois o pulso não sustenta não sei se é devido ao arame

    • Dr. Diego Ariel

      Oi Gabi

      A recuperação pós trauma ósseo é demorada e exige do paciente muita dedicação. As fraturas articulares exigem ainda mais. o processo de recuperação de fratura óssea dura em torno de 2 (dois) meses, variável de pessoa para pessoa. Esses sintomas que você relata são normais, nesse período de recuperação óssea , tende a desaparecer com o inicio da fisioterapia. Depois da cirurgia a recuperação desse tipo de fratura gira em torno de 6 meses a um ano. Claro que isso é uma estimativa que depende de inúmeros fatores: disciplina para a fisioterapia, capacidade de recuperação do organismo, entre outros. Agora é foco e força. Desejo-lhe uma boa recuperação

  • Jessica

    Olá.. No dia primeiro de maio quebrei a ulna e a cabeça do radio,fiz cirurgia no dia 6. Até agora estou com dificuldade para mexer minha mão,não consigo esticar meus dedos, não tenho força.. Isso é normal? Estou na quarta sessão de fisioterapia. Obg.

    • Dr. Diego Ariel

      Oi Jessica..  

      Até consolidar a fratura, é comum sentir isso sim...  O osso leva cerca de 2 meses para consolidar, e mesmo depois de consolidado ele pode evoluir com algumas complicações, como dores e inchaços (edema), devido à fratura.. tipicamente essas alterações melhoram com o tempo e com a reabilitação fisioterápica...    Fique bem

  • Joziene Batista

    Boa tarde qual o valor da cirurgia para retirar os ferros

    • Dr. Diego Ariel

      Oi Joziene.

      Para marcar consulta, orçamentos e afins, entra em contato pelo whatsapp: 84 98622-9921

      Boa sorte...

  • Alex Mariano Rosa da Silva

    Ola Dr. gostaria da sua autorização para usar as imagem em uma apostila que estou fazendo sobre fraturas para Instrumentadores cirúrgicos.

    • Dr. Diego Ariel

      Olá Alex

      Pode utilizar sem nenhum problema. Estamos às ordens .

  • Luziana da Cunha

    Meu filho quebrou o antebraço direito no dia 04 de fevereiro de 2020 foi colocado o gesso e na primeira avaliação pra olhar como estava o médico retirou o gesso pois o seu punho estava torto

    • Dr. Diego Ariel

      Oi Luziana

      Entendo sua preocupação. Contudo tem que ter calma e ver que não adianta querer adiantar o processo e poder causa uma re-fratura no garoto...

      Assim, o mais seguro é esperar o osso consolidar (“colar”) e só depois retirar o gesso e iniciar a fisioterapia... Geralmente o tempo para consolidar é em torno de 6 semanas, sendo mais rápido em crianças mais jovens.. 

      Até lá, siga as recomendações do seu médico...

      Boa sorte...

  • Francisca neuma Xavier lopes

    Tive fratura no antebraço quebrou a rádio e a ulna fiz cirurgia quanto tempo volto às atividades precisa fazer fisioterapia

    • Dr. Diego Ariel

      Oi Neuma...

      O retorno às atividades é mais indicado quando ocorrer a consolidação óssea e a melhora da musculatura e da força... isso depende do padrão da fratura do tratamento escolhido, podendo variar de 2 a 6 meses... e em muitos casos até mais...

      Geralmente indico a fisioterapia nas segunda semana de pós operatório... mas pode variar...

      Até lá repouso e siga as recomendações do seu médico... Boa sorte

Comentar