Imagem Autor
Postado por Diego Ariel
Categoria: Doenças do Joelho

Instabilidade Patelofemoral


Imagem

    A Instabilidade Patelofemoral é uma condição que acomete o joelho, mais precisamente na articulação entre o fêmur e a patela (rótula). Neste problema, a patela não se articula normalmente com o fêmur, podendo até mesmo “desencaixar”. Esse desencaixe é conhecido como luxação da patela.

    Com o movimento do joelho, a patela desliza em um “trilho” no fêmur, o sulco troclear, formando a articulação patelofemoral. Além do formato da patela e do trilho do fêmur, o joelho conta ainda com outros estabilizadores para impedir que a instabilidade ocorra. Entre tais estabilizadores, destacamos o músculo Vasto Medial Oblíquo, a altura patelar e a tensão da capsula medial e do ligamento Patelofemoral Medial.

 

Qual a causa da Instabilidade Patelofemoral? Diversos fatores anatômicos explicam a biomecânica das instabilidades patelares. Destes, destacamos 4 principais: 

 

  1. Displasia Troclear: nessa situação, ocorre alguma alteração no “trilho” da patela; 

  2. Aumento do TAGT (geralmente quando maior que 20mm): o TAGT é uma medida realizada pela tomografia. O TAGT é a expressão radiográfica do ângulo do quadríceps (ângulo Q). Quando maior o TAGT, mais fácil de a patela luxar; 

  3. Inclinação Patelar: quanto mais a patela estiver inclinada, mais fácil de ela se deslocar “para fora” do fêmur; 

  4. Patela Alta: nessa situação a patela está mais alta de que nos joelhos normais.

    Além das alterações anatômicas, as lesões que ocorrem na prática esportiva podem levar à luxação da patela, principalmente no entorse do joelho. Quando o entorse ocorre, pode haver a ruptura do Ligamento Patelofemoral Medial, o principal estabilizador medial da patela. Com a lesão do Ligamento Patelofemoral, o joelho fica mais propenso a novos episódios de luxação, principalmente em situações de rotação do joelho, que geralmente ocorrem na prática esportiva.

 

 

Quem tem maior risco de Instabilidade Patelofemoral? Mais frequente em adolescentes e adultos jovens (entre 10-18 anos), meninas (cerca de 75% dos casos) e em pessoas que têm algum parente próximo com essa doença.

 

Quais os sintomas? Existem duas formas de instabilidades: a luxação traumática da patela e a instabilidade crônica. Na luxação traumática, a patela “sai fora” durante algum esforço ou atividade física. Nessa situação, o paciente chega ao pronto-socorro com muita dor e edema (inchaço), podendo, muitas vezes, apresentar hemartrose (sangue dentro do joelho). Em muitos casos, a patela volta “sozinha” para seu local normal no fêmur. Às vezes, o médico precisa colocar a patela “de volta”, numa manobra chamada de “redução”. Desses pacientes, cerca de 33% vão ter recidiva (vão ter novamente a luxação). Na instabilidade crônica, além dos sintomas que ocorrem quando a patela luxa (dor, edema e hemartrose), o paciente apresenta uma sensação contínua de insegurança do joelho. Ou seja, mesmo em atividades do dia a dia, os pacientes sempre ficam apreensivos, com a impressão de que, a qualquer momento, a patela vai “sair do lugar”.

 

 

Como é feito o diagnóstico? Além da história clínica e do exame físico, a utilização de alguns exames de imagens auxilia no diagnóstico e no planejamento da conduta terapêutica. A radiografia (RX) é um exame muito acessível e utilizado para avaliar o formato da tróclea, a altura e a inclinação da patela. A tomografia é muito útil para uma melhor avaliação da tróclea e da inclinação patelar, além de ser o exame fundamental para a medida do TAGT. Já a ressonância ajuda na suspeita de lesões de partes moles, como na lesão do Ligamento Patelofemoral Medial.

 

Como é feito o Tratamento? Não existe um tratamento padrão para a Instabilidade Patelofemoral. O tratamento é individualizado de paciente para paciente, de acordo com as características pessoais (idade, nível de atividade, profissão etc) e com as alterações anatômicas (patela alta, displasia troclear e lesão do ligamento patelofemoral).

Caso o paciente se apresente com a patela luxada, a primeira conduta tomada é a redução. Através de manobras, o médico coloca a patela de volta ao seu “trilho no fêmur” e depois planeja o tratamento definitivo.

O tratamento é dividido em duas formas: tratamento Conservador (sem cirurgia) e tratamento Cirúrgico. 

 

Como é feito o Tratamento Conservador? Inicialmente, o tratamento é conservador. Apresenta bons resultados em muitos casos. O tratamento conservador utiliza medidas como fisioterapia, fortalecimento (principalmente adutores e quadríceps) e flexibilidade muscular, além de trabalho de propriocepção. O uso de órtese patelar pode ajudar em certos casos. O tratamento conservador é bem indicado nos casos em que ocorreu apenas um episódio de luxação. Caso nesse primeiro episódio ocorra uma fratura osteocondral associada, dá-se preferência ao tratamento cirúrgico. 

Nas luxações crônicas (mais de 1 episódio), pode-se tentar o tratamento conservador nos pacientes muito jovens ou nos pacientes mais velhos e com baixa demanda funcional.

 

 

Como é feito o Tratamento Cirúrgico? Na falha do tratamento conservador, nas luxações crônicas e nos pacientes jovens e ativos, a cirurgia é bem indicada. O procedimento vai depender muito da causa da instabilidade. Existem muitas técnicas cirúrgicas que podem ser utilizadas, inclusive combinadas. Dentre as opções, podemos citar: 

  • Reconstrução do Ligamento Patelofemoral Medial: como dito acima, esse ligamento é uma dos principais estabilizadores mediais da patela. Nessa cirurgia, é retirado um enxerto (geralmente um tendão flexor) e utilizado para reconstruir o Patelofemoral, fixando o enxerto na patela e no fêmur; 

  • Transferências da tuberosidade tibial: O objetivo é reduzir a TAGT anormal (acima de 20 mm) para cerca de 10 e 15 mm. Uma osteotomia (corte no osso) é feita na tuberosidade da tíbia (local onde o ligamento patelar se insere) e essa tuberosidade é reposicionada e fixada na tíbia, geralmente com uso de parafusos.

 

 

Em quanto tempo retorno às minhas atividades? O retorno vai depender muito da gravidade da instabilidade do paciente. Quando ocorre uma primeira luxação e o tratamento conservador é indicado, é realizada uma imobilização do joelho por cerca de 4 semanas, seguida de reabilitação e retorno às atividades mais “pesadas” em torno de 4 a 6 meses. Logo após a cirurgia, o paciente já inicia a reabilitação fisioterápica. Quanto mais rápido o paciente recuperar a força e o controle muscular, assim como a amplitude de movimento, mais rápido ocorre o retorno às suas atividades. Geralmente, o paciente utiliza muleta por 5 semanas, seguindo na reabilitação. Em média (alguns pacientes demoram mais), a corrida é possível em 3 meses e o retorno aos esportes, em 5 a 6 meses.

 


Para mais informações navegue em nosso Blog, entre em Contato ou converse com seu Ortopedista. 

 


Compartilhe


Comentários

  • Rafael

    Bom dia! Estava jogando bola a minha patela saiu do lugar eu coloquei no lugar na msm hora. Botei geso na perna n sinto dor mas quando vou correr o joelho parece q n suporta o peso do meu corpo da umas fisgadas, só sinto essa dor quando faço peso no joelho.

    • Dr. Diego Ariel

      Oi Rafael.

      Primeira coisa agora é fortalecer a musculatura de sua coxa, com o intuito de impedir novo episódio de luxação.

      Exercícios que fortaleçam o quadríceps, sobretudo o vasto medial, ajudam bastante. Caso ocorra nova luxação ou os sintomas persistam por mais de mês, sugiro procurar seu ortopedista..

Comentar